terça-feira, 4 de Março de 2008

Argumentos a Favor do Darwinismo

Biogeográficos

*Importância da proximidade geográfica na distribuição dos seres vivos semelhantes.


Anatomia Comparada

* Estruturas homólogas (com o mesmo plano anatómico/estrutural e a mesma origem embriológica, podem ou não desempenhar a mesma função);
* Estruturas análogas (não apresentam o mesmo plano estrutural nem a mesma origem embriológica, desempenham a mesma função);

* Estruturas vestigiais (órgãos atrofiados, que não apresentam uma função evidente nem importância fisiológica, num grupo de seres vivos, mas que se mantêm funcionais noutros grupos de seres vivos;;

Paleontológicos

* A descoberta de formas fósseis, actualmente extintas, contraria a ideia da imutabilidade das espécies;
* Fósseis de síntese ou intermédias, com características de dois grupos actuais;
* Fósseis de transição;
* Séries filogenéticas ou ortogenéticas, conjuntos de fósseis de organismos pertencentes a uma mesma linha evolutiva (geralmente géneros ou espécies), revelando uma “tendência evolutiva” constante numa dada direcção, ao longo de um prolongado período de tempo, como no caso do cavalo ou do elefante.
(Ichthyostega, fóssil de transição entre peixe e anfíbio)


Embriológicos

* A embriologia fornece provas a favor do evolucionismo, porque, em estados iniciais embrionários, são perceptíveis homologias entre várias espécies/classes, que não é possível observar em organismo adultos. Sugere a existência de um ancestral comum, que terá sofrido depois evolução divergente.

Citológicos

* A Teoria Celular, ao considerar que todos os seres vivos são constituídos por células e que estas são a sua unidade estrutural e funcional, sugere uma base comum para todos os seres vivos;
* A existência de vias metabólicas idênticas em organismos aparentemente muito diferentes (ex. respiração em animais e plantas) sugere também um ancestral comum.


Bioquímicos

* Todos os organismos são constituídos pelos mesmos compostos orgânicos, o que sugere um ancestral comum;
* A universalidade do código genético com intervenção do DNA e do RNA no mecanismo de síntese proteica aponta para um ancestral comum;
* A sequenciação do DNA tem revelado homologias de código genético que apontam para uma relação de parentesco entre todos os seres vivos;
* A hibridação do DNA permite estimar proximidade entre duas espécies diferentes, através do emparelhamento de cadeias de DNA de espécies distintas;
*Os dados sorológicos são também importantes para ajudar a estabelecer o grau de parentesco entre os diferentes grupos de animais. Baseiam-se nas reacções específicas entre antigenes e anticorpos. o nº de proteínas distintas são tanto maiores quanto mais afastadas forem as espécies.













Parasitológicos

* Parasitas são altamente específicos em relação ao hospedeiro. Considera-se que derivam de ancestrais de vida livre que em dada altura estabeleceram uma relação com outra espécie. Esta especificidade impede-os de procurar outra espécie hospedeira. Deste modo, o facto de o mesmo parasita usar como hospedeiro duas espécies diferentes pode servir como prova da relação entre elas.


Domesticação e Selecção Artifcial

* Domesticação de plantas e animais, a partir de espécies selvagens, com a fixação de determinados caracteres que mais interessam aos agricultores e criadores é, como Lamarck e Darwin afirmaram, uma prova da transformação das espécies. A partir destes dados ajudaram a desenvolver um processo de produção, a partir de certas espécies, novas variedades, que manifestem as características desejadas.

Cariologia

*Os indivíduos da mesma espécie apresentam o mesmo número de cromossomas, diferindo apenas nos genótipos

Classificação Taxonómica

* Estudos taxonómicos anteriores a meados do século XIX levantaram problemas de classificação, que apenas a hipótese do evolucionismo pode resolver. São indivíduos com características atípicas, até aí considerados aberrações, que ajudam a apoiar a teoria evolucionista.


(Rosa Mendes)
(Joana Neiva)
(Rita Azevedo)
(Rita Ferreira)

Sem comentários: